A Escola Politécnica, criada em 1837, e depois transformada em Faculdade de Ciências de Lisboa (1911), funcionou no mesmo local até 1978. O facto de a Faculdade ter ocupado o mesmo edifício da velha Escola (apenas uma entre várias características que se mantiveram) contribuiu para perpetuar o nome antigo na nova instituição e fez com que esta sempre fosse chamada “Escola Politécnica”, e assim será designada ao longo deste Projecto.

Actualmente, os Laboratórios de Física e Química da Escola Politécnica fazem parte do acervo do Museu de Ciência da Universidade de Lisboa. O material científico aí conservado, assim como as fontes bibliográficas do Museu, constituem um espólio valioso para a História da Ciência em Portugal. Neste Projecto, que surge na continuidade de outros trabalhos sobre a ciência portuguesa, produzidos por alguns dos membros da equipa de investigação, pretende-se realizar um estudo sistemático do trabalho de investigação e ensino efectuado na Escola Politécnica. Serão analisados os trajectos dos cientistas que aí ensinaram e investigaram, assim como os Laboratórios de Física e Química e a respectiva instrumentação. A realização deste trabalho contou com o apoio do consultor Professor Bragança Gil, entretanto falecido, fundador e ex-director do Museu de Ciência, profundo conhecedor da história da Escola Politécnica, dos seus Professores e da investigação aí realizada.

Os registos do percurso e do trabalho académico desses cientistas fazem também parte do acervo da biblioteca do Museu de Ciência. A exploração dessas fontes, iniciada nos trabalhos anteriores já referidos, por membros da equipa de investigação e por Pilar Pereira, bibliotecária principal do MCUL, entretanto aposentada, contou com o seu apoio, primeiro como consultora e actualmente como investigadora. Esse trabalho permitirá complementar a análise dos instrumentos e dos Laboratórios, assim como a da investigação teórica e experimental, realizada na Escola Politécnica durante cerca de cento e cinquenta anos.